Criar um Blog
Gerenciar um Blog
Visitar Próximo Blog
Denuncie

História da televisão brasileira

Sobre Mim


Home | Perfil | Arquivos | Amigos

ANOS 1960 (primeira parte) - 10:40 AM, 18/10/2010

 

 

O ano de 1960 começa bem para a televisão no Brasil. Tudo indica um crescimento do "rádio com imagens". Em 21 de abril de 1960, é inaugurada a nova capital Brasília e lá estreiam novas emissoras de televisão, a TV Brasília canal 6 das Emissoras Associadas e a TV Alvorada (Brasília) canal 8, pertencente à TV Rio; no dia da inauguração da cidade . Em 5 de maio entra no ar a TV Nacional canal 3, também de Brasília.

  

 
Também em maio de 1960, um violento incêndio destrói os estúdios da TV Record em São Paulo, fazendo com isso que a emissora comece a se utilizar mais do link com a TV Rio para satisfazer sua programação, dessa forma o número de programas transmitidos do Rio de Janeiro para São Paulo, quer por ligação direta ou videotape, aumenta consideravelmente nas Emissoras Unidas.


Ainda no ano de 1960, a programação da TV Continental no Rio de Janeiro ganha reforços, contratando artistas, principalmente da TV Paulista, que, com a morte de seu proprietário no final de 1959, está atravessando "horas difíceis". Transferem-se para o Rio de Janeiro o elenco da Praça da Alegria com Manoel da Nóbrega e Ronald Golias, trazendo o programa para a TV Continental, e o casal de atores Nicete Bruno e Paulo Goulart, que estrelaram o programa Dona Jandira Em Busca da Felicidade, também na Continental. A TV Continental também apresenta um excelente teleteatro, o Teatro das Quartas Feiras, dirigido por José Miziara, onde vários artistas se destacam, como: Jô Soares, Yoná Magalhães, Monah Delacy, Heloísa Helena, Wálter Forster, Ítalo Rossi e muitos outros.


Em junho de 1960, entram no ar no Recife, com intervalo de apenas duas semanas entre uma inauguração e outra, a TV Rádio Clube de Pernambuco, operando no canal 6, e a TV Jornal do Commercio, no canal 2.
Em agosto de 1960, a TV Tupi-Difusora passa a operar em São Paulo pelo canal 4 e assume, definitivamente, o nome de TV Tupi de São Paulo.


Em São Paulo, no dia 18 de setembro de 1960, quando a televisão completava dez anos de idade, entrou no ar o canal 9 TV Excelsior, com estúdios arrendados da Companhia Cinematográfica Vera Cruz na Vila Guilherme e o auditório funcionando no Teatro Cultura Artística, na Rua Nestor Pestana. Uma novidade que a Excelsior trazia, que também seria utilizada em sua emissora no Rio de Janeiro, era que, ao abrir a programação, eram exibidos os créditos referentes a todos os funcionários que trabalhavam para colocar a emissora no ar. Assim, eram exibidos os nomes dos trabalhadores nos transmissores, no áudio, na iluminação etc., inclusive os funcionários administrativos, como telefonistas, motoristas, arquivistas, e até mesmo os faxineiros da emissora tinham seus nomes revelados nos créditos. Essa prática deixava bem claro o caráter socialista de seu proprietário, Wallace Simonsen.

         

Em 20 de setembro, passa a funcionar a TV Cultura canal 2, das Emissoras Associadas, com estúdios montados no edifício dos Diários Associados na Avenida Nove de Julho.


Também naquele ano, Wallace Simonsen, compra no Rio de Janeiro, de seu amigo Leonel Brizola, a concessão do canal 2, de propriedade da Rádio Mayrink Veiga confirmando sua pretensão em implantar uma rede, com formato diferente do usado pelas Emissoras Associadas e Emissoras Unidas, mas transmitindo a mesma programação, na maior parte do tempo, exatamente como funcionam as emissoras americanas, trazendo para o Brasil a mentalidade de Network.


Em 29 de outubro de 1960, é inaugurada a TV Paranaense canal 12, a primeira emissora de Curitiba. Em 19 de dezembro do mesmo ano, as Emissoras Associadas também chegam à capital paranaense, através da inauguração da TV Paraná canal 6. 

 

Em 1960, faz sua estreia em televisão o humorista Chico Anysio. Chico iniciou a carreira em 1947, participando com apenas 16 anos de um concurso na Rádio Guanabara do Rio, para encontrar novos radio-atores. Chico acabou ficando com o oitavo lugar e a atriz Fernanda Montenegro aos 18 anos, ficou com o primeiro lugar. Mesmo assim, Chico acabou sendo aproveitado pelo diretor de radio-teatro, José Vasconcelos, em várias novelas da emissora. Logo, Chico acaba sendo transferido para o departamento esportivo, onde iria se sobresair realizando reportagens de campo nas partidas de futebol. Em 1952, transfere-se, junto com José Vasconcelos, para a Rádio Mayrink Veiga, onde destaca-se em programas humorísticos da emissora, chegando a criar quadros famosos, entre eles, a "Escolinha do Professor Raimundo". Durante a década de 1950, Chico compõe músicas e também escreve roteiros para vários filmes nacionais, produzidos pela Atlantida, Herbert Richers, Watson Macedo, atuando em alguns. Foi como conheceu o diretor Carlos Manga, levado por Chico para dirigir seus programas na TV Rio, o primeiro foi "Tim Tim por Tantan", depois com o "Chico Anysio Show".

  


Em 18 de abril de 1961 é fundada no Rio a Fundação João Batista do Amaral, destinada a alfabetização de adultos pela televisão, dirigida pela professora Alfredina de Paiva e Souza. As Emissoras Unidas passam então a apresentar em sua programação as aulas de alfabetização de adultos, primeira iniciativa desse gênero na televisão brasileira. As Emissoras Unidas chegaram a exibir um programa chamado TV Escola, gravado em video tape, dedicado a alfabetização de adultos, diariamente ao iniciar sua programação.


Em 1961, a TV Rio assume a liderança de audiência no Rio de Janeiro com a estreia de vários programas humorísticos, dentre eles O Riso é o Limite, dirigido por Carlos Manga e Teatro Psicodélico, e também com a contratação de grandes profissionais como: Chacrinha, da TV Tupi do Rio, onde apresentava o programa Rancho Alegre, e passa a apresentar a Discoteca do Chacrinha às quartas feiras e a Buzina do Chacrinha aos domingos; e Ronald Golias, que passa a apresentar o quadro Escolinha do Golias no programa Noites Cariocas, que agora tem a direção de Carlos Alberto de Nóbrega.
Também fazem sucesso na TV Rio daquela época o Noite de Gala, apresentado por Murilo Neri, e o Telejornal Pirelli, apresentado por Léo Batista e Heron Domingues e dirigido por Walter Clark e Armando Nogueira, que vence o Repórter Esso da TV Tupi.

                       

 Enquanto isso, na TV Continental, os problemas financeiros fazem com que a emissora comece a entrar em decadência, quando mal havia conseguido algumas vitórias. Em 7 de setembro de 1961, era inaugurada a TV Rádio Clube de Goiânia canal 7, que dois anos depois passou a operar no canal 9 mudando seu nome para TV Goiânia e em 1970 transfere-se definitivamente para o canal 4, alterando novamente seu nome para TV Goyá, pertencente às Emissoras Associadas. As Emissoras Associadas também inauguraram naquele ano, no dia 30 de setembro, a TV Marajoara (Belém), primeira emissora de televisão da Região Norte.


Em 1962, um decreto do governo do Estado da Guanabara obriga as emissoras de televisão do Rio de Janeiro a transmitirem seu sinal do Morro do Sumaré, fazendo com isso que seus transmissores fossem transferidos para o morro, o mais alto da cidade, acabando com a necessidade dos moradores do Rio precisarem colocar antenas adjacentes em seus aparelhos de televisão. É onde elas estão até hoje.

    
Em 1962, novas emissoras vão ao ar em todo o país, dentre elas a TV Alterosa canal 2 em 13 de março, pertencente à Radio Guarany de Belo Horizonte, sendo agregada às Emissoras Associadas em 1964, passando a ser a segunda emissora dos Associados na cidade, e a TV Gaúcha canal 12 de Porto Alegre, em 29 de dezembro, que associou-se às Emissoras Unidas. Também em 1962, a TV Excelsior realiza em São Paulo as primeiras experiências de TV em cores no Brasil, utilizando o sistema NTSC de procedência norte-americana. O programa escolhido para testar a novidade foi Moacyr Franco Show, na época a maior audiência do canal 9 paulista.
Em março de 1963, entra no ar a TV Belo Horizonte canal 12, retransmissora da programação da TV Rio e das Emissoras Unidas.
Em 05 de maio de 1963, entra no ar, timidamente pela TV Paulista canal 5, o Programa Silvio Santos, naquela época contando apenas com uma hora de duração nas tardes de domingo.
Também em 1963, o grande destaque foi a estreia em 22 de julho da primeira telenovela brasileira diária, pela TV Excelsior em São Paulo, 2-5499 Ocupado, estrelada por Tarcísio Meira e Glória Menezes. Também em julho de 1963, a TV Excelsior, que estava no ar no Rio de Janeiro em caráter experimental desde janeiro, contrata, praticamente, todo o elenco humorístico da TV Rio, fazendo com que a emissora procure novos astros no teatro, cinema e no rádio.
Em 1º de setembro de 1963, entra no ar em definitivo a TV Excelsior canal 2 do Rio de Janeiro, com estúdios alugados dos Diários Associados na Avenida Venezuela, Praça Mauá no centro do Rio de Janeiro, onde anteriormente funcionara os estúdios da Rádio Tamoio e da TV Tupi, antes que a Tupi se transferisse em definitivo para a Urca, e auditório no antigo Cinema Astória, que passou a chamar-se Teatro Excelsior, na Rua Visconde de Pirajá em Ipanema na zona sul do Rio. A estreia foi com o programa O Rio é o Show, apresentado pela atriz Maria Fernanda e com a presença de vários cantores como Jorge Benjor (na época Jorge Ben), Sílvio César, Miltinho, Os Cariocas e muitos outros; com transmissão direta para São Paulo. Era o inicio da Rede Excelsior. No dia seguinte estreava A Cidade Se Diverte, primeiro programa humorístico da emissora, com boa parte do elenco milionário contratado da TV Rio. Ainda naquele ano, a TV Excelsior estrearia uma linha de shows produzida no Rio de Janeiro, com vários programas que se tornariam famosos, além de A Cidade Se Diverte, os shows: Times Square, Gira o Mundo Gira, My Fair Show, Vovo Deville.

 


Em 24 de outubro de 1963, entra no ar a TV Anhanguera canal 2 de Goiânia, também aliada das Emissoras Unidas.
No final do mesmo ano, a TV Gaúcha de Porto Alegre é a primeira emissora a filiar-se à Rede Excelsior. Sua estreia na rede é com o programa Bibi Sempre aos Domingos, totalmente feito em Porto Alegre com o patrocínio das Lojas Renner.

 

   

No inicio de 1964, a TV Alterosa de Belo Horizonte é encampada pelas Emissoras Associadas, passando a exibir a programação dos Associados, enquanto a TV Itacolomi é liberada para juntar-se à Rede Excelsior. Com o golpe militar de 1964, Wallace Simonsen, que era amigo pessoal do ex-presidente Jango Goulart, sai do Brasil em abril de 1964 para não ser preso por sonegação de imposto de renda, abandonando a TV Excelsior à própria sorte. A Excelsior passa então a sustentar-se com os recursos de seus anunciantes, além de ter que saldar dívidas com os bancos.
Enquanto isso, a TV Tupi havia estreado sua primeira novela em 2 de março, Alma Cigana, com Ana Rosa, Amilton Fernandes, Marisa Sanches e Elísio de Albuquerque. A direção é de Geraldo Vietri. A TV Excelsior, porém, contra-ataca com um grande sucesso, que viria estourar em maio de 1964, A Moça que Veio de Longe, novela radiofônica da Rádio Nacional do Rio, estrelada por Rosa Maria Murtinho e Hélio Souto.

 

Apesar de a Tupi e a Excelsior dominarem o gênero telenovela, a TV Rio também realiza algumas produções nessa área, com um considerado sucesso, tais como: Sonho de Amor original de Nélson Rodrigues, baseada em romance de José de Alencar, com Fernanda Montenegro e Ítalo Rossi; O Desconhecido, com Jece Valadão e Nathalia Thimberg; Comédia Carioca, escrita por Carlos Heitor Cony e com músicas de Chico Buarque, contando no elenco com Eva Wilma e John Herbert; e Coração, com direção de Sérgio Britto e Fernando Torres, trazendo no elenco a estreia de Carlos Eduardo Dolabella e João Carlos Barroso.
Na TV Tupi, além de Alma Cigana, outra novela também atrai a atenção do público, Quem Casa com Maria? original de Lúcia Lambertini (a "Emília" do Sítio do Picapau Amarelo da Tupi em 1954) e dirigida por Henrique Martins. A novidade da novela foi estrear o horário das 18h30 na TV Tupi, horário que as outras emissoras ainda não haviam explorado e estratégico, pois as "senhoras donas de casa já haviam preparado o jantar e aguardavam a chegada de marido e filhos em casa", conforme definia a propaganda da época na revista Intervalo, da Editora Abril.

 

A TV Record, já recuperada do incêndio quatro anos antes, contrata novos comediantes, como Jô Soares que estreia aos sábados o programa Jô Show, e Renato Corte Real, com o humorístico Papai Sabe Nada, uma paródia à série americana Papai Sabe Tudo, com Robert Young, trazendo no elenco sua própria família (sua esposa e seus dois filhos).
No final do ano de 1964, uma estranha união acontece na televisão brasileira. A TV Tupi de São Paulo e a TV Rio unem-se para exibir a novela O Direito de Nascer. A novela terminou por ser o maior sucesso da televisão em todos os tempos, atingiu no último capítulo o índice de audiência de 99,75% dos televisores ligados. A repercussão da novela foi tão grande que gerou grande crise na TV Tupi do Rio (que havia recusado a novela usando a desculpa de que já havia sido exibida no rádio carioca há poucos anos e portanto não teria sucesso na televisão), ocasionando a demissão de toda a sua diretoria.
A festa de encerramento da novela foi no Maracanãzinho, em agosto de 1965, com a apresentação do ex-radialista de sucesso César de Alencar e da Miss Brasil Inesquecível Adalgisa Colombo.

  

 

Ainda em dezembro de 1964, numa tentativa de recuperar-se financeiramente, a TV Excelsior do Rio Canal 2, agora sob a direção de Wilton Franco, que substituiu Daniel Filho, contratado pela TV Globo Rio de Janeiro, leva para a emissora Flávio Cavalcanti, que cria o programa Um Instante, Maestro; Chacrinha, que traz a Discoteca do Chacrinha e a Buzina do Chacrinha da TV Rio, e a dupla Renato Aragão e Dedé Santana, ambos da TV Tupi do Rio, que fizeram sucesso no programa A, E, I, O... Urca, humorístico da emissora exibido aos domingos, às 19 horas.
No inicio de 1965, com medo da chegada da TV Globo, a TV Excelsior do Rio Canal 2 resolve lançar sua nova programação. Nela estreia Os Trapalhões, com Renato Aragão, Dedé Santana, Wanderley Cardoso e Ivon Curi às segundas; Um Instante, Maestro, com Flávio Cavalcanti, às terças; Discoteca do Chacrinha às quartas; Essa Gente Inocente, programa comandado por crianças, trazendo como apresentadora Elisângela, revelação do programa Clube do Guri, da TV Tupi do Rio, apresentado às sextas; Telecatch Vulcan, programa criado por Renato Pacote no estilo de lutas livres, com a maioria do elenco vindo da Argentina, inclusive o grande astro do programa, Ted Boy Marino, que acabou tornando-se ídolo juvenil dos anos 60, aos sábados; e a Buzina do Chacrinha, aos domingos. O único programa que se conservou da estréia da emissora é Times Square, que continuava às quintas.

Em São Paulo, a TV Excelsior também vai conseguindo driblar os problemas financeiros. Os patrocinadores passam a produzir suas telenovelas e a emissora consegue aos poucos se reerguer. Mas isso não é interessante para o governo da ditadura militar, pois seu proprietário, Wallace Simonsen, não era bem visto pela mesma e o interesse do governo era o fechamento da empresa. Assim, negavam à TV Excelsior o parcelamento de suas dívidas e tentavam, de todas as formas, perseguir a emissora.É nesse clima que a Excelsior leva ao ar a novela A Deusa Vencida, original de Ivani Ribeiro, dirigida por Walter Avancini, trazendo o casal Tarcísio Meira e Glória Menezes além da estreia em televisão como atriz de Regina Duarte.


A data inicial para a estreia da TV Globo no Rio era dia 1º de março, data em que a cidade completava 400 anos. A emissora porém, não estava pronta e marcou a data de 04 de abril, pois coincidia com o canal em que transmitia, tanto que chegou a ser vinculada pelo jornal O Globo, uma propaganda com os dizeres "Em 04/04 estreia o canal 4 - TV Globo", mas também não dava para entrar no ar, assim a emissora tinha até 30 de abril para iniciar o funcionamento, segundo a sua concessão. Finalmente em 26 de abril de 1965, entra no ar a TV Globo do Rio de Janeiro canal 4. Com a direção de Rubens Amaral, ex-diretor da Voz da América, a emissora traz várias novidades. A Globo inaugura com um estúdio construído especialmente para ela, na Rua Von Martius, no Jardim Botânico, com aparelhagem nova, de última geração, e com equipe técnica formada especialmente para televisão. Mas a Globo esqueceu-se de investir em programação. Tenta trazer dos Estados Unidos um estilo de programação popular por lá, com programas diferentes e artistas até então "calouros" em televisão.


A programação não conquista o público e, passada a novidade, a Globo não consegue audiência suficiente para justificar o investimento. Seu proprietário, o jornalista Roberto Marinho, havia firmado um acordo, proibido pelas leis brasileiras, com o grupo Time-Life, em 1962. No acordo, foram disponibilizados, em dinheiro da época, algo em torno de 6 milhões de dólares, fazendo do Time-Life sócio, com 30% de participação na empresa. A fraca performance inicial da TV Globo acalma as demais emissoras, e no final de 1965, com apenas oito meses de funcionamento, a TV Globo está quebrada, com um faturamento mensal de 170 mil dólares e gastos na ordem de 700 mil dólares.
Roberto Marinho decide, então, contratar da TV Rio seu diretor, Walter Clark. Este aceita trabalhar na Globo, caso a emissora traga seu antigo auxiliar na TV Rio, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho ou Boni, como era conhecido. Boni está no momento sob contrato com a TV Bandeirantes, que prepara sua inauguração em São Paulo e é contratado pela TV Globo a peso de ouro, deixando em seu lugar, na TV Bandeirantes, seu irmão. A TV Tupi, agora no Rio com a direção de José Miziara, ex-diretor da TV Continental, monta uma produtora de programas para as Emissoras Associadas, chamada de Telecentro. Com isso, passa a produzir novos programas, entre eles: Chico Anysio Só, Moacyr Franco Show, O Riso Mora Na Casa da Vizinha (este com Ema D'Ávila e a participação do próprio Miziara) e um programa de entrevistas comandado por Stanislaw Ponte Preta, com assistência de Ziraldo.
No Rio, até a TV Continental parece conseguir um novo fôlego. Em 1965, lança uma programação autodenominada Bossa Nove, uma alusão ao ritmo Bossa Nova, que dominou o mundo nos anos 60, espalhando a música brasileira, principalmente de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. Essa programação do canal 9 carioca tentava trazer para a televisão um público diferente, que olhava a televisão como diversão daqueles que não tinham cultura. Para isso, a Continental contratou o jornalista Fernando Barbosa Lima, que trouxe consigo da Excelsior o Jornal de Vanguarda e lançou uma bossa realmente nova, um telejornal às sete e meia da manhã, o Expresso Sete e Trinta, "um noticiário para ser assistido antes de trabalhar". A Continental tentava implantar uma programação baseada, principalmente, em noticiários e esportes. A experiência, porém, não deu certo.

Em São Paulo, a TV Excelsior, mergulhada em dívidas, a maioria causadas pela adversidade que a Ditadura Militar tem com ela, promove o Primeiro Festival de Música Popular Brasileira, cuja vencedora é a música Arrastão composição de Edu Lobo e Rui Guerra, interpretada por Elis Regina que naquela época apresenta o Dois na Bossa na Excelsior carioca. O "Festival" é uma forma de agressão ao governo, que não vê com bons olhos esse tipo de encontro entre artistas, publicamente contrários a sua politica.

Elis Regina interpreta "Arrastão" de Edu Lobo e Rui Guerra

no Festival de Música Popular Brasileira em 1965

 

 


« Última Página   Próxima Página »