Criar um Blog
Gerenciar um Blog
Visitar Próximo Blog
Denuncie

Material de Enfermagem

OXIGENOTERAPIA

11:56 PM, 11/7/2010

0 comentários

.. Link

Administração de Oxigênoterapia
 
 
Oxigênio é um gás inodoro, sem sabor e transparente, ligeiramente mais pesado que o ar. É utilizado para tratar ou evitar os sintomas e manifestações da hipoxia. Pode ser fornecido a partir de um cilindro, sistema de tubulação reservatório de oxigênio liquido ou concentrado de oxigênio, podendo ser administrado por cateter nasal, transtraqueal, cânula nasal com aparelho de reservatório ou vários tipos de mascaras faciais. Também pode ser aplicado diretamente ao tudo traqueal por meio de um ventilador mecânico ou um AMBU. O método escolhido depende da concentração de fornecida de oxigênio (nenhuma, mínima, moderada) e a assistência respiratória necessária ( ventilador mecânico, respiração espontânea).
 
1.      Cateter nasal: pinos nasais que liberam baixo fluxo de oxigênio.
a)    Exige respiração nasal
b)   Não pode fornecer concentrações de oxigênio superiores a 40%
 
2.      Mascara facial simples: Mascara que libera baixo fluxo de oxigênio a moderado para o nariz e a boca. Libera concentrações de 40% a 60%
3.      Mascara de Venturi: mas cara com dispositivo que mistura ar e oxigênio, para fornecer concentração de oxigênio constante.
a)    O fluxo de gás no rosto do paciente deve satisfazer ou exceder a taxa de fluxo inspiratório Maximo. Quando outros débitos da mascara não satisfazem a velocidade do fluxo inspiratório do paciente o ar ambiente é puxado (pelos orifícios laterais da mascara) mistura-se com o gás fornecido pela máscara facial, reduzindo ma concentração de oxigênio inspirada.
b)   O débito da mascara varia aproximadamente de 24% a 50% ;
c)    Praticamente elimina a reinspiração de dióxido de carbono;
 
4.      Mascara de Reinalação Parcial: tem concentrações elevadas de 50% a 75%
 
5.      Mascara sem reinalação: possui uma bolsa insuflável para armazenar oxigeno a 100% e uma válvula unidirecional entre a bolsa e a mascara para impedir que o ar inspirado entra na bolsa. Oferece uma concentração de 100% de oxigênio
 
6.      Cateter transtraqueal: realizado por meio de cateter pequeno (n°8) inserido pela garganta e a segunda e a terceira cartilagem da traqueais. Não interfere com a conversação, ingestão de líquidos, podendo ser escondido sob a camiseta ou a blusa. O aporte de oxigênio é mais eficiente, por que todo oxigênio entra nos pulmões.
 
7.      Mascara de Pressão Positiva na Via Aérea (PPCVA) : para fornecer pressão positiva e inspiratória e expiratória na via aérea de uma maneira similar a pressão terminoexpiratoria positiva (PEEP)  e sem intubação traqueal. Possui uma bolsa inflável e faixa para a cabeça destinada a fixar a mascara no rosto;Uma válvula PEEP    é incorporada dentro do orifício de expiração para manter a pressão positiva na expiração; As altas taxas de fluxo são necessárias para manter a pressão positiva na inspiração
 
8.      Peça de adaptação em T: É usada para administrar oxigênio ao paciente com tubo endotraqueal ou traqueostomia que esteja respirando espontaneamente. Alta concentração de aerosol e oxigênio é liberada através de circuito de tubo corrugado de grosso calibre. Os gases expirados saem através do circuito do reservatório aberto.
 
9.      Bolsa de Reanimação Manual    (AMBU): fornece altas concentrações de oxigênio ao paciente com esforço inspiratório insuficiente . Com a mascara utiliza a via aérea superior fornecendo oxigênio a  boca e o nariz do paciente. Sem mascara adapta-se ao tubo endotraqueal. Geralmente é utilizado na parada cardiorrespiratória, hiper insuflação durante aspiração dependentes de respirador  o transporte do paciente.
 
Fonte: BRUNNER PRATICAS DE ENFERMAGEM VOLUME I